Imóveis que podem ser comprados na planta e como desistir da compra, caso necessário

Imóveis que podem ser comprados na planta e como desistir da compra, caso necessário

Anteriormente publicamos um texto sobre as vantagens de se adquirir um imóvel na planta e quais estratégias adotar para não ocorrer ou minimizar prejuízos quando ocorrer a entrega do imóvel. Agora daremos continuidade ao assunto.

Quais imóveis podem ser comprados na planta?

Basicamente todos os tipos.

A grande maioria dos imóveis adquiridos nessa modalidade são residenciais, muitos deles terão um único dono, porém, existem muitos outros tipos de empreendimentos que oferecem essa possibilidade, como: salas comerciais, por exemplo, e assim como no caso dos residenciais a obra só se inicia após certo número de vendas.

Distrato de imóveis

Comprar um imóvel na planta pode ser um negócio com muito potencial lucrativo, desde que sejam tomadas precauções necessárias.

Mas, e quando todos esses cuidados acabam não dando certo, ou quando o comprador resolve desistir da compra? O que fazer?

O ato de desistência é chamado de distrato de imóveis e que mesmo estando em débito com a construtora é possível desistir da compra, porém é preciso ter clareza nisso, pois o dinheiro gasto não será devolvido em sua integralidade, no entanto, a construtora também não poderá reter todo o valor e caso a desistência seja por atraso na entrega do imóvel, algo que não é raro ocorrer, a devolução do valor investido deve ser integral.

O distrato, só pode ser realizado antes da entrega das chaves do imóvel e o valor devolvido pela construtora, caso o interesse no distrato seja puramente do comprador, deve ser de 75% do valor pago, mas é preciso ficar atento às clausulas do contrato, na hora de firmá-lo, principalmente no que se refere a rescisão dele e todas as taxas que podem ser cobrados em razão disso.

Por fim, cabe deixar claro que o distrato é um direito do comprador e não uma oferta da construtora, ou seja, caso ele seja solicitado, deverá ser atendido. Caso o valor a ser devolvido, ou o prazo para isso se mostrem abusivos o interessado poderá acionar a justiça para ter esse direito respeitado.

Juntas de Dilatação em Pisos de Concreto e suas Manifestações Patológicas, o que são e para que servem?

Juntas de Dilatação em Pisos de Concreto e suas Manifestações Patológicas, o que são e para que servem?

Juntas de dilatação serradas em pisos de concreto são fundamentais para permitir as movimentações do concreto e a adequada transferência de carga entre as placas, assegurando o seu nivelamento e qualidade do piso. Todo piso industrial em concreto está sujeito a tensões devido a diversas causas.

Uma das manifestações patológicas que ocorrerem nos pisos de concreto são as fissuras, elas podem ser tanto transversais quanto longitudinais e a causa está ligada a retração volumétrica (autógena), plástica, por secagem ou hidráulica, química e térmica.

O processos construtivo utilizado atualmente prevê a concretagem em faixas limitadas em sua largura pelas juntas longitudinais de construção. Logo após o processo de acabamento do concreto (polimento), deve – se iniciar o corte das juntas transversais de retração, também conhecidas como juntas serradas. O melhor momento de início dos cortes transversais devem ser entre 10 horas e 24 horas após o lançamento do concreto, porém, existe um grande variação de acordo com o tipo de cimento, temperatura ambiente, relação água/cimento, tipos de aditivos entre outros fatores. O corte deve ter uma profundidade da ordem de 1/3 da espessura do piso, recomendando – se no mínimo 40 mm.

Seguindo estes processos de execução, o piso executado terá maior durabilidade e menor incidência de fissuras.

Veja algumas dicas úteis para a execução dos pisos:

  • Faça o planejamento adequado dos cortes antes de começar a ser executado;
  • Use serras adequadas (diamantadas);
  • Observe que nas juntas transversais, a profundidade ideal é de 1/3 da espessura do concreto;
  • Após a concretagem, realizar a cura adequada no concreto.

Por fim, cabe dizer que é preciso ter um profissional competente e devidamente qualificado para realizar este tipo de serviço, pois esse procedimento é fundamental para uma maior durabilidade do seu piso de concreto.

Três passos para assegurar seu investimento na construção civil

Três passos para assegurar seu investimento na construção civil

Mesmo em situação de crise o mercado da construção vem passando por um bom momento, isso significa que investir nesse ramo pode ser um bom negócio.

Como em todo negócio um dos pontos a se considerar é o lucro em relação ao que foi investido. Mas se após a construção finalizada o tempo para execução da venda for muito extenso, talvez outros investimentos sejam mais compensatórios.

Porém se você quer se lançar nesse tipo de investimento, veja três estratégicas que separamos para você assegurar seu lucro após o investimento.

Escolha um bom terreno

Nesse momento não pense somente na localização privilegiada do terreno. Existem um série de fatores que contribuem para valorizar ainda mais o seu investimento, são eles: topografia, tipo de solo, zoneamento e limitações, infra estrutura da região e até a posição em relação ao sol.

Evite desperdícios ao máximo

Quando falamos em desperdícios não estamos nos referindo somente ao material utilizado em sua obra, o fator tempo também é um poderoso medidor do sucesso do seu empreendimento. Tendo em mente a ideia que “Tempo é Dinheiro”, procure formas de otimizá-lo, a G10 Concreto fornece o concreto usinado que além da qualidade tem como umas das principais característica a economia de material, pois será entregue a quantidade ideal para cada etapa da sua construção, além de tempo na aplicação. A G10 Concreto oferece também serviços de bombeamento que fará toda diferença no seu projeto. Outra ideia para economizar tempo é informar a equipe sobre o que deve ser feito e quanto tempo será necessário para cada etapa da construção, para isso, tenha sempre o controle dos cronogramas e prazos bem definidos.

Divulgue seu empreendimento

Após o término da obra é hora de utilizar as ferramentas disponíveis para divulgar que seu negócio está à venda. Procure alguma imobiliária da sua cidade, geralmente elas possuem alguma página na internet que podem ajudar na divulgação do seu novo imóvel. Mas não se prenda a isso para que seu imóvel fique conhecido, o boca a boca ainda é uma ferramenta muito poderosa, utilize-o também.

Esses passos são básicos e serão aplicados sempre que um novo empreendimento for iniciado. Com o tempo e experiência adquirida essas análises irão se tornar básicas e outras mais complexas farão parte do seu projeto podendo otimizar ainda mais seu investimento.

Vai comprar imóvel na planta? Não perca 6 dicas essenciais.

Vai comprar imóvel na planta? Não perca 6 dicas essenciais

Comprar um imóvel na planta tem se mostrado uma boa opção boa opção para quem quer ter a casa própria. E uma das vantagens é que o valor do imóvel nessa modalidade é cerca de 20% a 30% mais barato, o que o torna muito atrativo, porém como qualquer outro negócio, este também tem seus riscos. E pensando nisso preparamos 4 dicas essenciais que poderão ajudar a minimizar esses riscos.

Defina qual o tipo de compra.

Você deve definir se esse tipo de compra atende as suas necessidades, pois se trata de uma compra de longo prazo, se você tem necessidade de um imóvel em curto prazo, essa não será uma boa opção.

Faça pesquisas sobre a construtora

Se a compra em longo prazo for possível para você, então o próximo passo é pesquisar sobre a construtora, pesquisando na internet você pode facilmente descobrir as informações que precisa, no site da ITC(Inteligência Empresarial da Construção) você encontra o ranking das maiores construtoras do país.

Verifique as documentações

Fique atento à documentação, peça uma cópia do Memorial de Incorporação da Obra, caso seja negado ou aleguem que ele ainda não existe, fuja, pois é crime iniciar uma obra sem este documento.

Guarde qualquer documento relacionado a construtora

Para sua proteção guarde toda a documentação que envolva a compra, desde um simples folder até os contratos assinados, para o caso de ter problemas no futuro.

Faça o registro do documento

Assim que possível faça o registro o documento de compra e venda em cartório, além de lhe dar segurança do ato de compra esse registro impede que a construtora faça alterações na construção sem lhe consultar antes.

Pesquise a política de juros

Fique sempre atento a política de juros adotada, em alguns casos não há cobrança de juros até a entrega das chaves, porém após isso eles são cobrados abusivamente ou até retroativamente, é preciso ficar sempre atento às entrelinhas.

Se você seguir essas dicas você poderá evitar maiores precauções que causam prejuízo e dor de cabeça no futuro!

Todos esses passos podem ajudá-lo a não cair em uma armadilha. E se estiver confiante com a construtora e demais prestadores do serviço, faça uma visita à obra para ter uma boa ideia de como será o local de sua futura casa.

Usando o FGTS para comprar ou construir sua casa

Usando o FGTS para comprar ou construir sua casa

Como é sabido o governo federal liberou o saque do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) de contas inativas para os trabalhadores que tem direito a ele, analisa-se que esse dinheiro foi ou será usado para pagar dívidas ou com outras despesas que as famílias estavam deixando de lado em razão da crise.

Porém, esse não é o uso a que se destina esse fundo, ele foi criado  para proteger o trabalhador demitido sem justa causa e pode ser usado na compra da primeira casa própria ou na construção desta e para esse fim a conta não precisa estar inativa, ou seja, a qualquer momento que o trabalhador desejar fazer uso desse fundo para esse fim será possível.

Para fazer uso desse dinheiro é preciso atender a alguns requisitos mínimos:

  • É preciso haver pelo menos 36 meses de depósitos no fundo
  • O beneficiário não pode ter outros imóveis em seu nome

Lembramos que essas regras podem ser melhor explicadas e negociadas em uma agência bancária autorizada a realizar o uso do FGTS.

Dito isso cabe esclarecer que esse uso do FGTS fará parte de um financiamento maior, mesmo porque, na maioria dos casos não é possível realizar a compra ou obra, apenas com o valor do FGTS.

E quando se faz um contrato desse tipo com a Caixa Econômica Federal por exemplo, é preciso observar rigorosamente os prazos estipulados por ela, quem já realizou esse tipo de transação sabe que é preciso cumprir etapas específicas da obra para que a Caixa faça a liberação dos valores.

Aqui fica nossa dica de ouro, escolha prestadores de serviços capazes de cumprir esses prazos, para não ter dor de cabeça depois, a G10 Concreto tem equipamentos modernos justamente para ajudar nisso, ganhar tempo, economizar material e cumprir os prazos determinados para a conclusão da sua obra.

Dessa maneira será mais fácil realizar o sonho da casa própria.

O tempo de cura do concreto

O tempo de cura do concreto

Para aqueles que estão acostumados a lidar com concreto e todas as suas fases, talvez esse assunto possa parecer um assunto simples, mas a cura do concreto é na verdade um procedimento decisivo para o bom resultado final da sua concretagem, você pode ter feito tudo certo até a aplicação do concreto nas estruturas, porém se descuidar se na hora da cura pode comprometer toda a sua obra.

Mas o que é exatamente a cura do concreto? É o processo de desaceleração da evaporação da água, permitindo a completa hidratação do cimento, que após misturar-se com a água libera calor através desta reação exotérmica, reação esta, que pode chegar a quase 85º Celsius em 4 (quatro) dias, causando fissuras internas e até externas à estrutura. A cura, então, consiste no procedimento de controle da umidade e da liberação do calor de hidratação desse concreto, o objetivo é evitar que o concreto perca água para o ambiente e retraia abruptamente, o que acarreta o surgimento de fissuras.

As consequências de uma cura mal feita ou mesmo não feita são terríveis para a obra, entre elas podemos citar:

  • Aumento da permeabilidade e da carbonatação;
  • Aumento de fissuras por retração hidráulica ou por secagem;
  • Redução da resistência e da durabilidade do concreto;

Para evitar esse tipo de contratempo à cura torna-se um procedimento indispensável, para realizar esse procedimento é interessante saber que, existem formas diferentes de fazê-lo, vamos citar aqui os três principais:

Cura úmida

Deve-se manter a superfície do concreto úmida por meio da aplicação de água na sua superfície, manter o concreto coberto com uma lâmina d’ água ou totalmente imerso em água para evitar que ocorra evaporação da mesma.

Cura química

Consiste em aplicar um produto que forma uma película na superfície do concreto e que impede que haja evaporação da água contida nele.

Cura térmica

Feita em câmaras, é feita em ciclos nos quais o concreto é aquecido e depois resfriado, isso garante a umidade necessária ao concreto, acelerando a velocidade de ganho de resistência pelo aquecimento. É considerada a cura mais eficiente e é muito utilizada em empresas que trabalham com concreto pré-moldado.

Por fim a dúvida que fica é: por quanto tempo devo realizar a cura? Como citado anteriormente, nos primeiros 4 (quatro) dias o concreto tem a maior liberação de calor de hidratação, portanto, é importante nesse período, realizar uma cura abundante para manter a umidade do local e reduzir seu calor de hidratação, e continuar por mais três dias com uma intensidade menor como diz a norma da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) que o mínimo são 7 dias.

Abaixo listamos algumas Normas regulamentadoras que tratam desse assunto:

  • NBR 6118:2014, versão corrigida 2014 – Projeto de estruturas de concreto – Procedimento;
  • NBR 14931:2004 – Execução de estruturas de concreto – Procedimento.
Quais os custos e despesas diretas e indiretas de uma construção?

Quais os custos e despesas diretas e indiretas de uma construção?

Quando pensamos em iniciar uma construção, seja de grande ou de pequeno porte uma das dificuldades que a maioria das pessoas enfrentam é mensurar o custo total desse empreendimento, por isso é tão comum encontrarmos obras inacabadas e muitos construtores queixosos porque sua obra ou reforma não acaba nunca e já está muito mais cara do que o planejado.

Para estipular um valor a ser gasto que corresponderá à realidade encontrada ao final da obra deve-se conhecer bem os tipos de despesas que se terá.

O primeiro passo a ser dado é fazer um orçamento, com ele você saberá quais os custos que a obra terá, existem dois tipos de custos: os diretos e os indiretos, sendo:

Custos Diretos

Consistem nos custos relacionados aos serviços diretamente relacionados à obra, isto é, são custos obtidos pela soma de gastos com produtos e serviços utilizados diretamente na construção, por exemplo: escavações, concreto, armação, elevadores, quadros elétricos, cujos consumos são contabilizados com maior facilidade na unidade de medição e de pagamento dos serviços.

Custos Indiretos

Os custos indiretos são aqueles decorrentes de atividades e serviços que não estão diretamente relacionados com a obra, mas que contribuem indiretamente para a execução dos serviços utilizados nela. Por exemplo, o engenheiro residente, o gerador provisório de energia elétrica, o refeitório e o alojamento estão relacionados indiretamente com todos os serviços.

Impostos

São todas as taxas e tributos que se paga sobre todas as atividades relacionadas à execução da obra do início até o final.

Além disso, existe um cálculo, que no ramo da construção é chamado de BDI (Benefício e Despesas Indiretas), ele é uma margem usada para calcular o valor de venda de uma construção, porém ele pode ser utilizado para calcular o seu custo, ajudando assim na formulação de um orçamento mais real.

O BDI é a soma de todos os custos diretos e indiretos, juntamente com os impostos mais o lucro que se deseja obter com a venda da obra, para realizar seu cálculo é preciso ter todos os dados da obra em mãos, há uma série de manuais na internet instruindo como fazer esse cálculo.

Esses são os fatores principais a serem considerados no momento de elaborar um orçamento para sua obra, lembrando que cada obra deve ser avaliada individualmente. Dedicando tempo e esforço na hora da preparação do orçamento, será possível chegar ao fim da sua obra sem grandes surpresas.

Tecnologia – Caminhão Bomba Lança da G-10

Tecnologia – Caminhão Bomba Lança da G-10

O Grupo G10 está em constante processo de modernização, para isso buscamos sempre novas tecnologias para melhorar ainda mais nossos serviços. Tendo isso em vista hoje a G10 Concreto oferece a seus clientes três Caminhões Bomba Lança com mastro distribuidor articulado, sendo dois de 30 metros e um de 45 metros, além da já conhecida como Bomba de Mangote.

O diferencial do caminhão Bomba Lança é o alcance do seu mastro, pois ele será usado para distribuir o concreto cobrindo distancias muito maiores do que aquelas abrangidas pelos caminhões comuns em conjunto com tubulações.

O custo / benefício da aplicação dos serviços de um caminhão Bomba Lança são excelentes. Veja abaixo as vantagens de utilizar estes equipamentos:

Com ela é possível reduzir o número de pessoas dedicadas a concretagem;

  • Racionalização de equipamentos (carrinhos de mão, guinchos, elevadores, etc);
  • Proporciona movimentos mais precisos e várias posições diferentes para o despejo do concreto, vencendo grandes distâncias verticais e/ou horizontais;
  • Uniformidade e segurança nas operações;
  • Aplicação contínua do concreto. Evitando paralisações, causa mais comum do aparecimento das indesejáveis “juntas de concretagem”;
  • Agilidade na aplicação do concreto na obra, tornando possível concretar grandes quantidades com até 80% de agilidade em relação a distribuição manual;
  • Melhor acabamento e resultado final.

Indicação: Pequenas, médias e grandes concretagens.

Estes equipamentos são a solução para a os desafios e demandas da construção civil, a G10 Concreto oferece serviços de bombeamento com equipe qualificada para atuar em qualquer tipo de obra.

Entre em contato e solicite seu orçamento.

G10 Concreto e Solefic: pensamento no futuro

G10 Concreto e Solefic: pensamento no futuro

Nesse início do ano de 2017 contabilizamos 7,5 bilhões de pessoas no mundo, é uma quantidade gigantesca de pessoas, todas elas desejosas de viverem com o mínimo de conforto, para manter uma qualidade minimamente decente de vida, todas essas pessoas dependem de energia, seja para as tarefas em casa, seja para o trabalho ou mesmo para sua locomoção.

Pensando nisso a G10 CONCRETO, empresa do ramo da construção civil, que atua na preparação e comercialização de massa de concreto, deu um passo à frente em sua política de preservação ambiental e uso racional dos recursos naturais ao implantar uma usina de geração de energia elétrica fotovoltaica na cidade de Tupã, São Paulo.

No Brasil essa é uma aposta bastante acertada, pois temos o privilégio de termos em nosso território uma alta incidência de raios solares, além disso, temos grandes reservas de quartzo que é utilizado na produção de silício grau solar, utilizado na fabricação de células solares.

A SOLEFIC, uma empresa especialista em energias renováveis da cidade de Osvaldo Cruz, elaborou e executou os projetos elétricos e de infraestrutura relativos ao empreendimento, gerindo o relacionamento operacional entre a distribuidora de energia e a G10 CONCRETO.

Esse é um importante primeiro passo para a G10 CONCRETO, na busca por uma gestão consciente e plenamente preocupada com a preservação e conservação dos recursos naturais. Demonstrando sempre que é possível empreender de maneira sustentável.

Concreto usinado: Quais as vantagens para lajes e alicerce

Concreto usinado: Quais as vantagens para lajes e alicerce

A maneira como uma casa é construída varia bastante de caso para caso e o uso dos materiais também podem ser diversos. Um exemplo simples é o concreto que pode ser preparado na hora e na própria obra pelos profissionais da construção que estiverem trabalhando ou pode-se comprar o concreto pronto, ou concreto usinado, como é normalmente conhecido. A Grande maioria dos profissionais recomendam o concreto usinado para alicerce, laje e outras aplicações.

Praticidade

A vantagem do concreto usinado é praticidade, uma vez que o concreto vem pronto no caminhão betoneira, bastando apenas bombeá-lo nos locais desejados. Alternativamente ao bombeamento, pode-se distribuí-lo com o carrinho mesmo. Esta alternativa mais é indicada para alicerce, já que para a laje o bombeamento é quase obrigatório.

Rapidez

O concreto usinado proporciona rapidez na construção do alicerce ou da laje, por exemplo, bem como ele seca muito rápido no local. Isto é muito bom quando se tem pressa para terminar a obra. Em alguns casos o alicerce ou laje tem inicio pela manhã, e está pronto antes da hora do almoço.

Consistência

Aliás consistência é a palavra chave. Segundo profissionais da construção civil, uma das principais vantagens do concreto usinado é a sua consistência, uma vez que a mistura dele é altamente concentrada. Isto é indicado para alicerces, por exemplo que servirá como sustentação da casa.

Fonte: CasaDicas